20 sexta-feira , setembro , 2019
Novidades
O que realmente quebra o Estado?

O que realmente quebra o Estado?

Quando se está com fome, o que menos importa é o lado que você está na relação Predador X Presa. Correr, nem sempre afasta o perigo, muito menos dá a garantia de não ser o alimento do dia.

Aos mais jovens, o embate é desafiador, aos idosos, apenas fonte de argumentação para viver o quanto puder, falta-lhes força para correr e sobreviver por mais um dia.

Nessa métrica vivemos as realidades do mundo capitalista.

Um jogo bem jogado depende da manutenção de suas regras, caso contrário é apenas uma predação, ou seja o mais fraco sendo devorado pelo mais forte.

O jogo desigual escraviza.

As regras convenientes privilegiam o capital. Porque para uns, que sempre ganharam mais, suas aposentadorias são melhores. Porque para outros, que além de terem ganhos superiores, os privilégios nunca se esgotam.

O maior argumento para a Reforma da Previdência é que estamos vivendo mais. Ela não foi criada para isso? Para melhorar a saúde dos contribuintes? Ou será que a solução que se busca é o retrocesso do que foi criado para que se morra mais cedo?

Vemos figuras elegantes, vendendo saúde, bem trajadas, aparência de bem sucedidas, defendendo a Reforma, será que recebem os mesmos valores que iremos receber?

Vivemos nos últimos tempos em um país da precarização. Desemprego aviltante, economia estagnada, estímulo à contratos de trabalho sem garantias e principalmente, constantes ataques ao movimento sindical, visando seu estrangulamento econômico, sendo que estes são umas das poucas instituições que se preocupam com o futuro do trabalhador.

Fica claro que toda a maquiagem existe para esconder algo e no caso da nova Previdência é a precarização da sua APOSENTADORIA.

O que farão com o Trilhão que pretendem economizar? Vão retirar de você para a tal transição aquilo que você não pediu para ocorrer e não tinha conhecimento, vão economizar o dinheiro que deveria, por direito adquirido, ser seu.

Mas, como proposto, será guardado no Sistema Financeiro, para ser usado da forma que acharem melhor. Ou, caso haja necessidade de “salvar as contas do Governo”, como sempre ocorre, seremos os financiadores, a fundo perdido, de atuais e futuros governos.

Oswaldo Augusto de Barros – CNTEEC – FEPAAE – FST